Força de trabalho invisível: Caem os mitos sobre gênero no Equador

Depois de uma hora de caminhada na floresta amazônica, na província de Orellana no Equador, Maricela Tapuy e sua cunhada estão trabalhando ao lado dos maridos. A família está limpando um pedaço de floresta para plantar: enquanto os homens derrubam árvores com uma motosserra, as mulheres cortam mudas com facões e ajudam a mover as toras. Mais tarde, quando os troncos maiores são cortados com a motosserra para venda, elas vão ajudar a empilhar as pranchas.
Shares
0

Related stories

Maricela Tapuy ajuda o marido a colher madeira e limpar a floresta para a agricultura. CIFOR/Kate Evans

Maricela Tapuy ajuda o marido a colher madeira e limpar a floresta para a agricultura. CIFOR/Kate Evans

Depois de uma hora de caminhada na floresta amazônica, na província de Orellana no Equador, Maricela Tapuy e sua cunhada estão trabalhando ao lado dos maridos.

A família está limpando um pedaço de floresta para plantar: enquanto os homens derrubam árvores com uma motosserra, as mulheres cortam mudas com facões e ajudam a mover as toras. Mais tarde, quando os troncos maiores são cortados com a motosserra para venda, elas vão ajudar a empilhar as pranchas.

“Quando não estou ocupada, sempre vou à floresta ajudar meu marido”, diz Maricela.

“Se formos contratar alguém, temos que pagar. Mas se nós, mulheres, ajudarmos, vamos ter mais dinheiro para a família.”

Uma nova pesquisa do Centro de Pesquisa Florestal Internacional (CIFOR) descobriu que a situação de Maricela é muito comum entre as mulheres quéchua na Amazônia equatoriana.

Este artigo é parte de um pacote de multimídia sobre a floresta amazônica. Veja mais em forestsnews.cifor.org/amazonia

Contudo, isto é algo que é raramente reconhecido pela sociedade e em políticas, dia Elena Mejía, pesquisadora do CIFOR trabalhando no projeto Pro-Formal no Equador, do qual o estudo de gênero é uma porção pequena. Os objetivos do Pro-Formal é desvendar o mercado de maneira doméstico do Equador e como os pequenos produtores participam do mercado; o estudo de gênero foi feito por Mejía e Liliana Vásquez, uma estudante que trabalha no CIFOR com o projeto.

Presume-se que a colheita de madeira e o uso da floresta em geral sejam uma atividade exclusivamente masculina, como é comum nas comunidades mestiças na mesma área, diz Mejía. Uma pesquisa do CIFOR  anterior revelou que é muito comum nas comunidades florestais latino-americanas se considerar que “o lugar da mulher não é na floresta”.

Contudo, as mulheres na Amazônia equatoriana seguem as atividades reprodutivas e caseiras tradicionais, porém, as mulheres quéchuas vizinhas estão começando a se diversificar.

Os pesquisadores entrevistaram cerca de 20 mulheres quéchuas em Orellana e Napo. Além de entrevistas, pediram às mulheres para preencher um calendário diário e mensal de suas atividades.

“Devido ao custo da mão de obra no Equador, os homens levam as mulheres e filhas para a floresta para ajudá-la a cortar árvores”, diz Mejía.

“Este desenvolvimento é importante, pois rompeu com a tradição da mulher ficar em casa, no pomar e no campo — agora, ela também vai para a floresta. Então, os homens e mulheres estão dividindo papéis que antes não dividiam.”

No entanto, diz ela, a pesquisa também constatou que a venda de madeira continua a ser uma atividade exclusivamente masculina e que isso não diminuiu os papéis femininos tradicionais destas comunidades.

“Mesmo participando do trabalho florestal, elas ainda têm de fazer o trabalho doméstico. Assim, toda mulher está fazendo seu trabalho doméstico, criando filhos, trabalho agrícola — além do trabalho na floresta.”

É um pequeno estudo e é preciso mais para testar o quanto este fenômeno é difundido. Mas esses resultados são importantes, diz Mejía, por desmentir o mito comum de que as atividades florestais são puramente masculinas.

“Isto apresenta implicações políticas, pois o governo, em suas publicações e linguagem sobre a floresta, deveria reconhecer que o gênero é importante e que as mulheres também estão envolvidas na colheita de produtos florestais — e até o presente isto não aconteceu.”

Para Maricela, pelo menos, o trabalho é por necessidade — algo que ela suporta para economizar o suficiente para estudar nos fins de semana em Coca, a capital regional a várias horas de distância.

“Eu não gosto da floresta: o sol queima a pele, há insetos — sofremos lá para poder conseguir alguma coisa para vender na cidade. Com esse dinheiro, podemos pagar o transporte para chegar a Coca toda semana”, diz ela.

Seu sonho é conseguir um emprego que não requeira mais desmatar a floresta.

“Por exemplo, se você é professor, não sofre no sol e na chuva, só dá aulas para as crianças. É por isso que eu decidi começar a estudar”, diz ela.

“Depois, se tivermos outro trabalho, podemos deixar a floresta para nossos filhos — um dia, eles vão precisar dela e vão querer entendê-la — se não sobrar nada, o que sobre para eles entenderem?”

Para mais informações sobre as questões abordadas neste artigo, entre em contato com Elena Mejía pelo e-mail k.mejia@cgiar.org

O projeto Pro-Fomal (Política e opções reguladoras para reconhecer e melhor integrar o setor de madeira doméstico em países tropicais)  é financiado pela União Europeia e integra o Programa de Pesquisa sobre Florestas, Árvores e Agroflorestas da CGIAR.  

 

(Visited 8 times, 1 visits today)
Copyright policy:
We want you to share Forests News content, which is licensed under Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International (CC BY-NC-SA 4.0). This means you are free to redistribute our material for non-commercial purposes. All we ask is that you give Forests News appropriate credit and link to the original Forests News content, indicate if changes were made, and distribute your contributions under the same Creative Commons license. You must notify Forests News if you repost, reprint or reuse our materials by contacting forestsnews@cgiar.org.