Postais de campo: loucos pela castanha-do-brasil

Shares
0

Related stories

Olivia Revilla é uma estudante de silvicultura na Universidad Nacional Amazónica de Madre de Dios (UNAMAD) no Peru. Ela é uma das 13 alunas locais trabalhando com CIFOR na investigação do impacto da castanha-do-brasil na região.

Olivia Revilla é uma estudante de silvicultura na Universidad Nacional Amazónica de Madre de Dios (UNAMAD) no Peru. Ela é uma das 13 alunas locais trabalhando com CIFOR na investigação do impacto da castanha-do-brasil na região.

Olivia Revilla é uma estudante de silvicultura na Universidad Nacional Amazónica de Madre de Dios (UNAMAD) no Peru. Ela é uma das 13 alunas locais trabalhando com CIFOR na investigação do impacto da castanha-do-brasil na região. Esta é a sua história .

Meu nome é Olivia Revilla. Eu sou de Lima, mas minha família vem de Puerto Maldonado, em Madre de Dios, Peru.

A indústria de castanha-do-brasil é uma das principais atividades econômicas em Puerto Maldonado — é uma parte da cultura aqui. Meus avós eram castañeros (castanheiros) e passavam muito tempo na floresta. Mas eles mandaram seus filhos — meus pais, meus tios e tias — para estudar em Lima, Cusco e Arequipa. Assim, eles não continuaram a tradição da família.

Crescendo, eu passei metade do meu tempo em Lima e a outra metade em Puerto Maldonado. Eu adorava vir para a floresta nas férias. Então eu decidi que eu gostaria de ter uma carreira que tivesse algo a ver com a floresta, porque ela é muito especial para mim. É quase uma coisa espiritual para mim, eu sinto que tenho uma energia bonita quando estou na floresta. E é isso que me trouxe até Puerto Maldonado em tempo integral há seis anos para estudar silvicultura.

Este artigo é parte de um pacote de multimídia sobre a floresta amazônica. Veja mais em forestsnews.cifor.org/amazonia

Agora estou no último ano da minha graduação — e eu estou muito animada por estar terminando.

Precisamos fazer dois estágios práticos — são pré-requisitos para o diploma. Estamos fazendo o segundo com o Centro de Pesquisa Florestal Internacional — é a última coisa que eu preciso fazer antes de eu obter meu grau de bacharel.

A experiência tem sido excelente. Fomos com o castañero Pablo, que mora em Alegría. A família administra a floresta bem — eles extraem madeira, mas de forma legal e têm muito respeito pela floresta.

Todos os dias, os castañeros entram na floresta e recolhem os frutos de castanha-do-brasil, cobrindo-os com folhas de palmeira. Enquanto trabalham, começamos nossa pesquisa. Medimos o diâmetro, a circunferência e a altura da castanheira. Anotamos a condição da coroa, se há algum dano, se há lianas (trepadeiras) — qualquer coisa especial sobre esta árvore que pode ser diferente do normal.

Depois de os castañeros terem recolhido todos os frutos, eles começam a abri-los para extrair as castanhas. Nosso trabalho é contar o número de frutos produzidos por cada árvore e o peso das castanhas extraídas.

Quais são os desafios? Bem, cada vez que você vai para a floresta, vai encontrar insetos, como ácaros e carrapatos. Além disso, o dano à floresta causado pelas atividades humanas me afeta muito. Você pensa que está indo a uma floresta virgem, mas não é — é um castañal (concessão de castanha-do-brasil). E você percebe que a atividade humana sempre afeta a floresta e isso me entristece um pouco. Para mim, perceber que eu também sou uma parte deste efeito, é um desafio.

E há também os animais selvagens. Você tem que estar muito alerta o tempo todo, não pode relaxar por um minuto, porque tem que se concentrar — você pode ser picado por uma cobra. Portanto, este esforço que você faz todos os dias para ficar alerta é estressante.

Mas é bom estar no campo, ele te enche de uma energia que não se tem na cidade. Ela é mais limpa, mais rica – e você está mais perto da natureza do que outras pessoas.

Mais da metade dos estudantes do grupo são mulheres. Quando vamos para o campo com os homens, eles sempre tentam nos proteger, mas, no final, percebem que somos bastante independentes e aceitam que podem nos levar para a floresta. Depois que você pega o facão e começa a usá-lo, percebe que tem músculos também!

Eu gostaria de ver melhorias na colheita de castanha-do-brasil para evitar danos e melhoria na produção para que as pessoas continuassem a colhê-la. Devido à rápida expansão da mineração aqui em Puerto Maldonado, muitas pessoas abandonaram as atividades tradicionais como a colheita de castanha-do-brasil para ganhar mais dinheiro em mineração e outros setores.

Acredito que este estudo pode ajudar com este problema para que os castañeros possam ver que há pessoas interessadas em melhorar a produção de castanha-do-brasil para o futuro, para que seus filhos e netos possam continuar a ter uma boa renda com a castanha.

Depois de me formar, eu gostaria ser pesquisadora. Gosto de passar tempo na floresta. E a verdade é que precisamos de muito mais pesquisas para melhorar estas atividades florestais, para reduzir o desmatamento. Sempre que vou à floresta, eu noto que ela está sendo maltratada. Eu acho que é nossa responsabilidade como engenheiros florestais ajudar a reduzir isso. É o que eu gostaria de fazer quando me formar; pesquisar para ajudar a melhorar as atividades econômicas baseadas na floresta para que elas tenham menor impacto no meio ambiente.

 

(Visited 11 times, 1 visits today)
Copyright policy:
We want you to share Forests News content, which is licensed under Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International (CC BY-NC-SA 4.0). This means you are free to redistribute our material for non-commercial purposes. All we ask is that you give Forests News appropriate credit and link to the original Forests News content, indicate if changes were made, and distribute your contributions under the same Creative Commons license. You must notify Forests News if you repost, reprint or reuse our materials by contacting forestsnews@cgiar.org.