Multiplicando REDD+ benefícios

Shares
0

Related stories

De Andréa Zenóbio Gunneng, Brasil – www.conexaoverde.com

O principal benefício do mecanismo de redução de emissões por desmatamento e degradação florestal (REDD+), como o próprio nome diz, é o de reduzir emissões de gases de efeito estufa, principalmente de gás carbônico (CO2). Entretanto, múltiplos outros benefícios e co-benefícios são alcançados com o gerenciamento sustentável das florestas, como proteção da biodiversidade, conservação de nascentes,  melhoramento da qualidade de vida dos povos das florestas.

A questão, entretanto, é que quando se tem um orçamento financeiro restrito, não se pode querer maximizar todos os alvos. “É preciso focar em um objetivo. Mudar o comportamento de como a terra é usada e explorada já é um desafio enorme ‘per si’. Claro que co-benefícios são desejados, mas o importante aqui é se alcançar a máxima eficiência dos projetos REDD+”, alerta Sven Wunder, principal economista do CIFOR.

Essa seria a posição ideal de um REDD+ projeto. Mas na prática, a realidade é outra, já que investidores – governos e iniciativa privada – desejam que múltiplos benefícios sejam alcançados pelos projetos que eles estão financiando, principalmente redução da pobreza e proteção da biodiversidade, apontou a diretora da Comunidade Climática e Aliança de Biodiversidade, Joana Durbin.

“Aqueles projetos que apresentam a possibilidade de produzir co-benefícios são os que os investidores estão dispostos a pagar por”, acentuou Durbin. Mesmo que então a quantidade prevaleça sobre a qualidade! Ou seja, diante da opinião e pressão pública, para os investidores é importante dizer que estão visando benefícios nestas e naquelas áreas, do que mostrar que estão alcançando positivos resultados em apenas um setor.

“Governos não estão implementando REDD+ no vácuo, mas eles têm compromissos com seus cidadãos – muitas vezes comprometimentos eleitorais” ressalta Durbin. Por outro lado, o mecanismo REDD+ é uma fonte de recursos financeiros para que os governos possam promover desenvolvimento sustentável em áreas rurais. Daí o interesse em investir no maior número possível de objetivos. “Múltiplos benefícios são então politicamente, moralmente e economicamente justificáveis”, pondera Durbin.

Alguns co-benefícios porém são alcançados independentes do design do projeto. Gustavo Fonseca, líder do setor de recursos naturais do Fundo Global para o Meio Ambiente (em inglês, GEF), exemplifica que, ao financiar a proteção de uma área, se observa que há uma probabilidade de sete a 11 vezes menor de que essa área seja desmatada, em relação a outros lugares que não são protegidos. “A questão então é: como melhorar esses benefícios sem perder de vista a proteção da biodiversidade?”, diz Gustavo. Para ele, os recursos financeiros não podem maximizar mais de um benefício ao mesmo tempo. “Por outro lado, em alguns casos, podemos introduzir a proteção da biodiversidade como um estímulo de investimento em um REDD+ projeto”.

Ou seja, a partir da realidade política e financeira (leia-se a demanda dos investidores) que se apresenta hoje, as melhores REDD+ iniciativas – e com maior probabilidade de receber recursos – são aquelas que melhoram as condições sociais dos povos das florestas, protegem a biodiversidade, permitem o pagamento por serviços ambientais, e protegem os direitos das populações indígenas – e não aquelas que somente diminuem as emissões de gases de efeito estufa.

(Visited 13 times, 1 visits today)
Copyright policy:
We want you to share Forests News content, which is licensed under Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International (CC BY-NC-SA 4.0). This means you are free to redistribute our material for non-commercial purposes. All we ask is that you give Forests News appropriate credit and link to the original Forests News content, indicate if changes were made, and distribute your contributions under the same Creative Commons license. You must notify Forests News if you repost, reprint or reuse our materials by contacting forestsnews@cgiar.org.